quinta-feira, 26 de agosto de 2010

26/08/2010


É sempre assim, o bom chega logo a seu fim.
Não tem mais jeito de voltar,
talvez devessemos batalhar , até nossas mãos sangrarem... é, nosso próprio vermelho e viscoso sangue .
Por favor, deixe-me ver e sentir o seu sorriso, deixe-me tocar sua pele suavemente e deixe-me contar segredos.
Sabe o que eu vejo? Vejo o rio correr no seu fluxo inverso, solução ou apenas fruto da minha imaginação?
Nunca aprendo, percorro pelos mesmos velhos caminhos sem perspectiva.
A mesma dorzinha chata no peito...

O verso inverso! A canção torta, deformada. As palavras que nunca serão ditas. O vinho, a cerveja que embriagam. O veneno que mata, as caricias jamais trocadas !!!


BIG FOSSA

3 comentários:

Lily Quel disse...

Como sempre uma dor compartilhada que ninguém tem acesso...contraditório não?? Mas é o que me vem quando leio suas palavras!!

Intenso!

Josy Poulain disse...

BIG fossa mesmo, :D
Melhoras ai.

Peace.

Alleson Sullivan disse...

twrynaleman,parabens pelo teu texto, gostei, principalmente quando voce fala sobre que " está cheio de sempre seguir pelo mesmo caminho,( monotonia ).



see you!!!!