quinta-feira, 9 de setembro de 2010

Beijos, paixões e corrupção

Não resisto!
Chego perto e logo me amoleço
Me perco em tua insegurança
Tu me consolas sendo o carrasco que és
Se contradiz e desfaz toda uma verdade súbita
Me bate, me apedreja e me suja
E mesmo assim, mesmo sendo uma doce e amarga saída
Te quero, te desejo e te terei,

Para todo o sempre , ou para todo o nunca.

2 comentários:

Alleson Sullivan disse...

Vejo aqui os sintomas do amor e da paixão. tão bom e tao cruel....

Gutor disse...

Agora sim, te vi mais claramente... Acho que sei o motivo: as coisas que falam de amor tocam muito mais do que qualquer filosofia, qualquer revolta em relação às injustiças do mundo... O amor, esse sentimento tão paradoxal (como mostram nossos poetas românticos e não-românticos), parece ser a parte mais essencial de nossas vidas...

Uhu..

P.L.E