sexta-feira, 18 de março de 2011

Uma noite de vinhos, chuva, cigarros e corações despedaçados.




Sonha, poeta, sonha! Ali sentado
No tosco assento da janela antiga,
Apóia sobre a mão a face pálida,
Sorrindo - dos amores à cantiga.

Alvares de Azevedo

- -

Amo você , oh minha querida Deusa idealizada
Te amo com a mais singela delicadeza
Te desejo na mais simples situação
Amo os teus gestos sobre mim, amo a sua plenitude
Quero a sua bondade, e a tua manha que de manhã me atormenta
Oh , como adoro essa voz suave, essas vestes espontâneas
Sua, só sua discrição, seu olhar, seu pesar nas palavras dizendo:
Hoje não dá, amanhã talvez , quem sabe um dia lhe eternizarei num abraço aconchegante.

Felipe Fugit


3 comentários:

Lily Quel disse...

Simples...e justamente por isso muito bonito...

Josy Poulain disse...

Bonito, Fugit poeta.

Peace.

Gutor disse...

Puta que pariu...
muito bom.
Fugit poeta²!
abraços